Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o trabalho das professoras pesquisadoras de Relações Internacionais

Nesse artigo abordarmos os efeitos da pandemia sobre o trabalho da professoras de Relações Internacionais, em especial como ela afetou a produtividade das docentes.

Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o trabalho das professoras pesquisadoras de Relações Internacionais

Publicado originalmente na Conjuntura Austral em setembro de 2021

Por Beatriz Coutinho, Laira Tenca e Cecília Mombelli

Foto do acervo MaRIas IRI USP

Artigo originalmente publicado na revista Conjuntura Austral para acessar clique aqui


O artigo "Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o trabalho das professoras pesquisadoras de Relações Internacionais" foi publicado na Revista Conjuntura Austral v. 12, n. 59 (2021). Ele é fruto de um longo trabalho das MaRIas iniciado em 2020. O nosso objetivo era compreender como a pandemia afetou o trabalho, em especial a produtividade das professoras de Relações Internacionais. Além disso, o nosso artigo aborda temas como: a disparidade de gênero na ciência; os efeitos da pandemia; a produtividade acadêmica das mulheres; o perfil das professoras de RI no Brasil; jornada dupla ou tripla das docentes; saúde mental; maternidade e terceirização do cuidado. 


Leia o relato da nossa MaRIa, Cecília Mombelli sobre como foi o processo de elaboração desse artigo:


"O dossiê da Revista Conjuntura Austral, “O Sul Global pensado por mulheres”, foi a oportunidade esperada para a publicação dos dados da pesquisa realizada pelo MaRIas em 2020. A edição especial, com artigos de mulheres sobre o Sul Global, abarca a proposta de estudo e pesquisa do grupo que, a partir de 2021, passou a interpretar o internacional a partir do lugar, tanto geográfico quanto político, no qual estamos. Os acontecimentos inesperados do ano, com o alastramento do vírus Sars-Covid-19 e a declaração de pandemia, ao mesmo tempo que nos trouxe preocupação, também nos forçou a avançar: iniciamos, juntas, a primeira pesquisa científica do grupo, voltada para a compreensão de como esse momento delicado afetava a condição de vida e de trabalho de mulheres na academia.

Os dados iniciais sobre as consequências do isolamento forçado sobre as mulheres começavam a aparecer. Nenhum deles, independente da realidade e da profissão de cada uma, era benéfico. Os direitos conquistados – poucos, diante de uma realidade marcada pela desigualdade de gênero – estavam ameaçados. Preocupadas com os retrocessos que avançavam, olhamos para nosso microcosmo, a academia brasileira, mais especificamente a pós-graduação de Relações Internacionais, para entender o que estava acontecendo e como isso nos afetava e afetava mulheres que, como nós, dedicavam seu tempo à essa área de conhecimento. Motivadas pela pergunta “será que a pandemia agravou as desigualdades de gênero presentes na academia?”, iniciamos a primeira pesquisa do MaRias, com o objetivo de compreender os efeitos dos primeiros meses de pandemia sobre o trabalho das professoras pesquisadoras de pós-graduação em Relações Internacionais no Brasil.

O trabalho foi realizado com a dedicação incansável de cinco pesquisadoras: Beatriz Coutinho, Cecília Mombelli, Kelly Agopyan, Laira Tenca e Mariana Corrêa.  Juntas, construímos todas as partes do projeto: a concepção inicial, o levantamento bibliográfico, a definição e elaboração do questionário, o contato com as professoras e o estudo cuidadoso dos dados recolhidos. Toda segunda-feira, durante os sete primeiros meses, nos reunimos para transformar esse projeto na primeira linha de pesquisa do grupo. A frustração com a baixa representatividade feminina no corpo docente da pós-graduação (apenas 88 mulheres diante de 162 homens) foi revertida com as respostas que recebemos e com a atenção que cada respondente dedicou no preenchimento do formulário. A todas elas, o nosso agradecimento.

O resultado pode ser conferido no artigo "Os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o trabalho das professoras pesquisadoras de Relações Internacionais", escrito por Beatriz Coutinho, Laira Tenca e Cecília Mombelli. As três autoras analisaram os dados coletados dialogando com a literatura sobre gênero e academia e com ela contribuindo, ao promover o debate tão necessário sobre o trabalho feminino durante a pandemia. O foco recaiu na produtividade acadêmica, por ser essa uma métrica importante para a progressão de suas carreiras, mas não se restringiu a ela. Não há como evitar falar de maternidade, trabalho doméstico não remunerado e saúde mental como fatores que acentuam a disparidade de gênero.

Este artigo, em especial para nós três que nos dedicamos a escrevê-lo, sintetizou o esforço coletivo na produção de conhecimento científico sobre a desigualdade que afeta a nossa realidade e, ao mesmo tempo, nos fortaleceu como pesquisadoras. Mesmo com recursos escassos e diante de uma situação de ataques infundados,  seguimos acreditando na força de nosso trabalho."

pandemia, produtividade acadêmica, Conjuntura Austral, Beatriz Coutinho, Laira Tenca, Cecília Mombelli, organizações internacionais, pesquisadoras, professoras

Nenhum tag.