8M: Resistência e Cansaço

Atualizado: 25 de mai. de 2021




O 8M desse ano não poderia ser diferente: resistência e cansaço. Esse ano pandêmico foi realmente muito difícil, mas sobretudo para as mulheres que tiveram que lutar contra o machismo estrutural que provoca silenciamentos, jornadas triplas de trabalho e todas as diversas formas de violência.


Sou uma das coordenadoras das maRIas, grupo de pesquisa e estudos sobre gênero e RI da pós-graduação do IRI-USP - um presente maravilhoso e um respiro para mim em tempos tão nebulosos. Em 2020, eu também me tornei uma das "designers" do grupo e refletindo sobre a arte, junto com as outras maRIas, para publicarmos nesse dia tão simbólico, essas foram algumas das palavras que apareceram.


Uma mistura de união, luta coletiva, formação de rede (inclusive virtual), com cansaço, exaustão, retrocesso. Porque realmente cansa pedir o mínimo e tentar sobreviver no meio de tantas adversidades.


Quando um presidente diz que "fraquejou" ao ter uma filha mulher, a gente percebe que o ataque virtual machista que as maRIas sofreram em 2020, em uma de suas reuniões, é o "menor" dos problemas que vivemos hoje.


Mas o que o último ano também me fez perceber é que existe uma rede poderosa de mulheres que está se articulando para não deixar essa onda de retrocessos inundar todas as conquistas que nossas antecessoras bravamente nos proporcionaram - e as maRIas têm feito parte disso, enchendo meu coração de orgulho. Estamos sim cansadas, exaustas, mas somos muitas, somos diversas e estamos juntas. Talvez esse 8M nos faça lembrar disso.

*dias mulheres virão*

💜

Um abraço,

Kelly

(Coordenadora das áreas de Comunicação e Redes das MaRIas IRI-USP)